Coordenação

JOAQUIM CARDADOR DOS SANTOS

Presidente do Conselho de Administração

 

MIRIEME FERREIRA

Coordenadora Técnica

VER MAIS
Ler + Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis
Ler + Coordenação
Ler + Rede de Cidades Saudáveis da OMS

Organograma
Órgão deliberativo, constituído por todos os associados. Integram, atualmente, a mesa da assembleia os municípios de Viana do Castelo, Odivelas e Miranda do Corvo.
Composto por um técnico de cada município associado.
Órgão executivo composto por cinco municípios eleitos pela assembleia intermunicipal. Actualmente composto pelo Seixal, Lisboa, Montijo, Oeiras e Palmela.
Estatutos

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis rege-se pelos estatutos publicados no Diário da República – III Série (N.º 5/98 de 7 de janeiro de 1998). Estes estatutos sofreram alterações em escritura a dezembro de 2015, incluindo a alteração da designação da Associação.

DOWNLOAD DOS ESTATUTOS

Parcerias

Porque trabalhar em rede significa, entre outras coisas, potenciar as parcerias existentes, a Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis consolida-se no alargado leque de parceiros locais e (...)
VER MAIS
Alguns membros RPCS


VER MAIS



"UMA CIDADE SAUDÁVEL É AQUELA QUE ESTÁ CONTINUAMENTE A CRIAR E A DESENVOLVER OS SEUS AMBIENTES FÍSICO E SOCIAL, E A EXPANDIR OS RECURSOS COMUNITÁRIOS QUE PERMITEM ÀS PESSOAS APOIAREM-SE MUTUAMENTE NAS VÁRIAS DIMENSÕES DA SUA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DO SEU POTENCIAL MÁXIMO."


GOLDSTEIN E KICKBUSCH (1996)

ÚLTIMOS PROJETOS

Grândola
Universidade Sénior de Grândola - USG

O QUE É?

Uma resposta social que visa criar e dinamizar regularmente atividades culturais, educacionais, de lazer e convívio para os/as maiores de 50 anos, com ou sem experiência escolar, num contexto de formação ao longo da vida, em regime informal.

 

O QUE FAZ?

Incentiva a participação e organização dos maiores de 50 anos, em atividades culturais e de lazer;
Divulga a história, as ciências, as tradições, as artes, os locais e os demais fenómenos culturais;
Promove a informação e divulgação de direitos e deveres;
Desenvolve relações inter pessoais e sociais entre as diferentes gerações (intergeracionalidade);
Trabalha em articulação com outras instituições particulares e ou públicas;
Promove estilos de vida saudáveis e uma maior qualidade de vida;
E promove o desenvolvimento das mais diversas competências
Através de aulas e atividades realizadas por professores voluntários e por técnicos do município das mais diversas áreas (artes, desporto, estimulação cognitiva etc..)

 

A QUEM SE DESTINA?

Pessoas com mais de 50 anos residentes no concelho de Grândola.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

- Níveis elevados de satisfação da população frequentadora (>95%);
- Grau de execução do Plano de atividades superior a 100%;
- Forte adesão da população;

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Projecto Tampas e Caricas; Projecto Enraiz’Artes GNR e Centro de Saúde

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola

Fortunata Ratinho
T: 269 450 000

 

Grândola
RIVDAL

O QUE É?

É uma Rede Integrada de Resposta à Violência Doméstica no Alentejo Litoral, constituída formalmente em 2014, com uma metodologia de intervenção capaz de promover uma atitude de permanente articulação/cooperação interinstitucional e de complementaridade pela potenciação dos recursos localmente disponíveis, no âmbito da Violência Doméstica.

 

O QUE FAZ?

Promoção da melhoria do trabalho de proximidade com vítimas e agressores, através de uma maior qualificação dos/as profissionais que acompanham os casos de violência doméstica, e o contributo para a diminuição do fenómeno no Alentejo Litoral;
Sensibilizar e informar a população em geral para a problemática da violência doméstica e violência de género;
Promover a igualdade de género como estratégia de prevenção e eliminação da violência doméstica e violência de género.

 

A QUEM SE DESTINA?

População em geral e especificamente pessoas vítimas de violência doméstica.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Mapeamento dos recursos existentes no seio das entidades envolvidas;
Conhecimento da realidade territorial do Alentejo Litoral no âmbito da violência doméstica;
Melhoria/reforço da capacidade de resposta às vítimas de violência doméstica no Alentejo Litoral;
Formação em violência doméstica para técnicos/as envolvidos/as.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

ADL – Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano;
Associação Cabo-verdiana de Sines e Santiago do Cacém;
CPCJ – Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém e Sines;
Freguesias de Alvalade; Cercal do Alentejo; S. Teotónio; Santo André; Vila Nova de Milfontes; Stª Maria do Castelo e Santiago; Stª Susana; U.F. de Santiago do Cacém, Santa Cruz e S. Bartolomeu da Serra;
Instituto de Segurança Social, I.P. – Centro Distrital de Setúbal;
Instituto Politécnico de Setúbal;
Intervir.COM – Associação de Promoção de Saúde, Desenvolvimento Social e Cultural;
Municípios de Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém; Sines
MUSA – Associação de Mulheres Unidas Socialmente Ativas Oriundas de Países de Língua Portuguesa em Sines;
Núcleo da Liga dos Combatentes de Vila Nova de St. André;
Santa Casa da Misericórdia de Sines;
TAIPA – Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira;
ULSLA – Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano;
UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta;
Universidade Aberta.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola
Setor de Desenvolvimento Social
T: 269 448 030

E: vera.antunes@cm-grandola.pt

 

VER MAIS
61
MUNICÍPIOS
SAUDÁVEIS
.
Alfândega da Fé
.
Almada
.
Almodôvar
.
Alvito
.
Amadora
.
Amares
.
Avis
.
Azambuja
.
Barrancos
.
Barreiro
.
Beja
.
Braga
.
Bragança
.
Castro Marim
.
Chamusca
.
Coimbra
.
Cuba
.
Figueira da Foz
.
Golegã
.
Gondomar
.
Grândola
.
Guarda
.
Lagoa (Açores)
.
Lagoa (Algarve)
.
Lisboa
.
Loulé
.
Loures
.
Lourinhã
.
Lousã
.
Maia
.
Matosinhos
.
Miranda do Corvo
.
Monchique
.
Monção
.
Montijo
.
Odemira
.
Odivelas
.
Oeiras
.
Palmela
.
Pombal
.
Ponta Delgada
.
Portimão
.
Porto
.
Porto Santo
.
Póvoa de Lanhoso
.
Ribeira Grande
.
Santo Tirso
.
São Roque do Pico
.
Seixal
.
Serpa
.
Sesimbra
.
Setúbal
.
Soure
.
Tábua
.
Torres Vedras
.
Valongo
.
Viana do Alentejo
.
Viana do Castelo
.
Vidigueira
.
Vila Franca de Xira
.
Vila Real
 Um município saudável é 
 inclusivo, sensível e para 
 todos os cidadãos 
A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis é uma associação que tem como missão apoiar a divulgação, implementação e desenvolvimento do projeto Cidades Saudáveis nos municípios que pretendam assumir a promoção da saúde como uma prioridade da agenda dos decisores políticos.


^
v
PROJETOS

Rede de Hortas Urbanas no Município do Seixal

 

O QUE É?

O projeto Rede de Hortas Urbanas do Município do Seixal tem como objetivo criar uma rede de espaços produtivos, integrados na estrutura verde municipal, e destina-se a promover a atividade agrícola em contexto urbano, que compreende o cultivo e colheita de produtos agrícolas de natureza sazonal, orientados pelos princípios da agricultura sustentável, onde se fomentam a agricultura biológica, a sustentabilidade ambiental (compostagem, utilização racional da água, armazenamento e utilização da água da chuva), o contacto com os ciclos naturais, operações culturais e métodos de produção, os estilos de vida saudáveis, as relações interpessoais e intergeracionais. Enquadra-se, ainda, nos princípios da solidariedade e subsidiariedade, contribuindo para melhorar a condição de vida das famílias nas vertentes da subsistência alimentar saudável e complemento ao rendimento familiar, bem como para reforçar a identidade cultural e territorial e a coesão social.

 

O QUE FAZ?

O projeto Rede de Hortas Urbanas do Município do Seixal visa prosseguir os seguintes objetivos:

a) Criar uma rede de espaços produtivos, integrados na estrutura verde municipal, cujas produções revertam a favor dos utentes, funcionando como um complemento ao rendimento familiar e uma alternativa às formas tradicionais de recreio em espaço urbano;
b) Reforçar o apoio às famílias mais desfavorecidas da comunidade, através da diversificação das fontes de subsistência;
c) Incentivar o uso de práticas agrícolas tradicionais e estimular a sensibilização ambiental;
d) Introduzir a utilização das técnicas agrícolas sustentáveis e tecnologias sociais;
e) Promover hábitos de alimentação saudável;
f) Valorizar as relações interpessoais e intergeracionais, através do estímulo à entreajuda, transmissão do conhecimento e espírito de boa vizinhança;
g) Fortificar o sentimento de pertença e promover a identidade cultural e coletiva da comunidade;
h) Promover a ocupação dos tempos livres de pessoas idosas e valorizar os seus saberes, no âmbito do envelhecimento ativo;
i) Educar para a sustentabilidade e solidariedade no seio da comunidade escolar;
j) Contribuir para a preservação do património fundiário e cultural.

As metas:
- Redução dos índices de pobreza e geração de rendimento;
- Dinamização de mercados locais;
- Estímulo às relações interpessoais e intergeracionais;
- Preservação da biodiversidade agrícola;
- Redução de custos inerentes à manutenção de espaços verdes;
- Contribuir para a conservação da paisagem e equilíbrio dos ecossistemas.

 

A QUEM SE DESTINA?

A atribuição de Talhões de Cultivo é feita a Munícipes que comprovem a residência na área Territorial do Município do Seixal.
Os candidatos poderão única e exclusivamente candidatar-se a uma tipologia de hortas, ou seja, ou a hortas de cariz social, ou a hortas de cariz recreativo, não podendo o mesmo candidato ou elemento do seu agregado familiar cumular, no procedimento em curso, candidaturas aos dois tipos de hortas.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Neste contexto, a Autarquia programou a execução faseada até 2020 de espaços vocacionados para o cultivo, pretendo dotar o município de um Espaço Agrícola por freguesia.

 

O primeiro destes espaços entrou em funcionamento em maio de 2014: Espaço Agrícola do Monte Sião, localizado na Torre da Marinha, que integra 15 talhões de Hortas Sociais. O Espaço Agrícola do Soutelo entrou em funcionamento em março de 2017, na freguesia da Amora, complementando a oferta de espaços de cultivo de cariz social, com 20 talhões de Hortas Sociais e oferta de Hortas Recreativas (15 talhões).

 

Prevê-se ainda este ano, a concretização do projeto do 3.º Espaço, o Espaço Agrícola da Quinta da Trindade.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

No quadro da monitorização da atividade agrícolas têm sido apoiadas e orientadas comunidades de hortelãos em risco, nomeadamente os da Quinta da Princesa. Ao longo dos últimos três anos, procurou-se um envolvimento crescente da comunidade, a angariação de parceiros, conseguindo-se a constituição da cooperativa de responsabilidade limitada denominada, Cooperativa dos Hortelões da Quinta da Princesa, C.R.L., que possui neste momento mais de 100 associados.

Prémio da Ford Motor Company – Conservation and Environmental Grants, em 2002 (Vencedor na categoria Projetos Autárquicos).
O projeto já foi exposto em Seminários e Workshops, nomeadamente no Fórum Seixal Saudável, no seminário Agricultura Urbana e Sustentabilidade Local, na Casa do Ambiente em Lisboa, em Coimbra – Seminário Internacional de Agricultura Urbana, na Câmara Municipal da Moita e na Cooperativa de Consumo Mó de Vida, em Almada, entre outros.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal do Seixal

Divisão de Ambiente e Salubridade
T: (+351) 210 976 011
E: div.ambiente.salubridade@cm-seixal.pt