Coordenação

JOAQUIM CARDADOR DOS SANTOS

Presidente do Conselho de Administração

 

MIRIEME FERREIRA

Coordenadora Técnica

VER MAIS
Ler + Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis
Ler + Coordenação
Ler + Rede de Cidades Saudáveis da OMS

Organograma
Órgão deliberativo, constituído por todos os associados. Integram, atualmente, a mesa da assembleia os municípios de Viana do Castelo, Odivelas e Miranda do Corvo.
Composto por um técnico de cada município associado.
Órgão executivo composto por cinco municípios eleitos pela assembleia intermunicipal. Actualmente composto pelo Seixal, Lisboa, Montijo, Oeiras e Palmela.
Estatutos

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis rege-se pelos estatutos publicados no Diário da República – III Série (N.º 5/98 de 7 de janeiro de 1998). Estes estatutos sofreram alterações em escritura a dezembro de 2015, incluindo a alteração da designação da Associação.

DOWNLOAD DOS ESTATUTOS

Parcerias

Porque trabalhar em rede significa, entre outras coisas, potenciar as parcerias existentes, a Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis consolida-se no alargado leque de parceiros locais e (...)
VER MAIS
Alguns membros RPCS


VER MAIS



"UMA CIDADE SAUDÁVEL É AQUELA QUE ESTÁ CONTINUAMENTE A CRIAR E A DESENVOLVER OS SEUS AMBIENTES FÍSICO E SOCIAL, E A EXPANDIR OS RECURSOS COMUNITÁRIOS QUE PERMITEM ÀS PESSOAS APOIAREM-SE MUTUAMENTE NAS VÁRIAS DIMENSÕES DA SUA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DO SEU POTENCIAL MÁXIMO."


GOLDSTEIN E KICKBUSCH (1996)

ÚLTIMOS PROJETOS

Grândola
Universidade Sénior de Grândola - USG

O QUE É?

Uma resposta social que visa criar e dinamizar regularmente atividades culturais, educacionais, de lazer e convívio para os/as maiores de 50 anos, com ou sem experiência escolar, num contexto de formação ao longo da vida, em regime informal.

 

O QUE FAZ?

Incentiva a participação e organização dos maiores de 50 anos, em atividades culturais e de lazer;
Divulga a história, as ciências, as tradições, as artes, os locais e os demais fenómenos culturais;
Promove a informação e divulgação de direitos e deveres;
Desenvolve relações inter pessoais e sociais entre as diferentes gerações (intergeracionalidade);
Trabalha em articulação com outras instituições particulares e ou públicas;
Promove estilos de vida saudáveis e uma maior qualidade de vida;
E promove o desenvolvimento das mais diversas competências
Através de aulas e atividades realizadas por professores voluntários e por técnicos do município das mais diversas áreas (artes, desporto, estimulação cognitiva etc..)

 

A QUEM SE DESTINA?

Pessoas com mais de 50 anos residentes no concelho de Grândola.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

- Níveis elevados de satisfação da população frequentadora (>95%);
- Grau de execução do Plano de atividades superior a 100%;
- Forte adesão da população;

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Projecto Tampas e Caricas; Projecto Enraiz’Artes GNR e Centro de Saúde

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola

Fortunata Ratinho
T: 269 450 000

 

Grândola
RIVDAL

O QUE É?

É uma Rede Integrada de Resposta à Violência Doméstica no Alentejo Litoral, constituída formalmente em 2014, com uma metodologia de intervenção capaz de promover uma atitude de permanente articulação/cooperação interinstitucional e de complementaridade pela potenciação dos recursos localmente disponíveis, no âmbito da Violência Doméstica.

 

O QUE FAZ?

Promoção da melhoria do trabalho de proximidade com vítimas e agressores, através de uma maior qualificação dos/as profissionais que acompanham os casos de violência doméstica, e o contributo para a diminuição do fenómeno no Alentejo Litoral;
Sensibilizar e informar a população em geral para a problemática da violência doméstica e violência de género;
Promover a igualdade de género como estratégia de prevenção e eliminação da violência doméstica e violência de género.

 

A QUEM SE DESTINA?

População em geral e especificamente pessoas vítimas de violência doméstica.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Mapeamento dos recursos existentes no seio das entidades envolvidas;
Conhecimento da realidade territorial do Alentejo Litoral no âmbito da violência doméstica;
Melhoria/reforço da capacidade de resposta às vítimas de violência doméstica no Alentejo Litoral;
Formação em violência doméstica para técnicos/as envolvidos/as.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

ADL – Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano;
Associação Cabo-verdiana de Sines e Santiago do Cacém;
CPCJ – Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém e Sines;
Freguesias de Alvalade; Cercal do Alentejo; S. Teotónio; Santo André; Vila Nova de Milfontes; Stª Maria do Castelo e Santiago; Stª Susana; U.F. de Santiago do Cacém, Santa Cruz e S. Bartolomeu da Serra;
Instituto de Segurança Social, I.P. – Centro Distrital de Setúbal;
Instituto Politécnico de Setúbal;
Intervir.COM – Associação de Promoção de Saúde, Desenvolvimento Social e Cultural;
Municípios de Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém; Sines
MUSA – Associação de Mulheres Unidas Socialmente Ativas Oriundas de Países de Língua Portuguesa em Sines;
Núcleo da Liga dos Combatentes de Vila Nova de St. André;
Santa Casa da Misericórdia de Sines;
TAIPA – Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira;
ULSLA – Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano;
UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta;
Universidade Aberta.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola
Setor de Desenvolvimento Social
T: 269 448 030

E: vera.antunes@cm-grandola.pt

 

VER MAIS
61
MUNICÍPIOS
SAUDÁVEIS
.
Alfândega da Fé
.
Almada
.
Almodôvar
.
Alvito
.
Amadora
.
Amares
.
Avis
.
Azambuja
.
Barrancos
.
Barreiro
.
Beja
.
Braga
.
Bragança
.
Castro Marim
.
Chamusca
.
Coimbra
.
Cuba
.
Figueira da Foz
.
Golegã
.
Gondomar
.
Grândola
.
Guarda
.
Lagoa (Açores)
.
Lagoa (Algarve)
.
Lisboa
.
Loulé
.
Loures
.
Lourinhã
.
Lousã
.
Maia
.
Matosinhos
.
Miranda do Corvo
.
Monchique
.
Monção
.
Montijo
.
Odemira
.
Odivelas
.
Oeiras
.
Palmela
.
Pombal
.
Ponta Delgada
.
Portimão
.
Porto
.
Porto Santo
.
Póvoa de Lanhoso
.
Ribeira Grande
.
Santo Tirso
.
São Roque do Pico
.
Seixal
.
Serpa
.
Sesimbra
.
Setúbal
.
Soure
.
Tábua
.
Torres Vedras
.
Valongo
.
Viana do Alentejo
.
Viana do Castelo
.
Vidigueira
.
Vila Franca de Xira
.
Vila Real
 Um município saudável é 
 inclusivo, sensível e para 
 todos os cidadãos 
A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis é uma associação que tem como missão apoiar a divulgação, implementação e desenvolvimento do projeto Cidades Saudáveis nos municípios que pretendam assumir a promoção da saúde como uma prioridade da agenda dos decisores políticos.


^
v
PROJETOS

Projeto “Trilhos de Interpretação Ambiental do Município do Seixal |Aplicativo Móvel - Seixal APPé”

 

O QUE É?

O projeto “Trilhos de Interpretação Ambiental do Município do Seixal |Aplicativo Móvel - Seixal APPé”, promovido pela Câmara Municipal do Seixal e financiado pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (candidatura POSEUR-03-2215-FC-000017, aprovada a 20 de abril de 2016), consiste no desenvolvimento de uma plataforma tecnológica (App e página web) para a divulgação de um conjunto de trilhos pedestres/ clicáveis. As ações previstas visam a disponibilização de conteúdos para um público-alvo específico: jovens e comunidade escolar, pelo que estarão adaptados às faixas etárias em causa, facilitando o acesso e aquisição de conhecimento sobre os valores naturais classificados existentes no Município do Seixal. 

 

O QUE FAZ?

Neste contexto pode-se afirmar que o município do Seixal possui, no quadro nacional, um conjunto vasto de áreas que integram a Rede Fundamental de Conservação da Natureza (RFCN), definida na Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ENCNB), nomeadamente a área nuclear de Conservação da Natureza e da Biodiversidade de importância comunitária, incluída na Lista Nacional de Sítios da Rede Natura 2000 (Diretiva Habitats 92/43/CEE e Resolução do Conselho de Ministros n.º 76/00, de 5 de julho): SICPTCON0054 e áreas naturais de papel crucial na conservação, continuidade, conetividade e manutenção de processos naturais, essencialmente associadas à salvaguarda dos processos hidrológicos e conservação do solo e da água, classificadas como Reserva Ecológica Nacional (REN), Reserva Agrícola Nacional (RAN) e Domínio Público Hídrico (DPH).

As áreas de sapal, cuja área total ronda os 180ha, destacam-se, ainda, pelos serviços que oferecem, nomeadamente no contexto:
- das alterações climáticas, uma vez que além de serem sumidouros de carbono, têm uma grande importância no controlo da erosão das margem, pela estabilidade que lhes conferem através da fixação de sedimentos.
- da biodiversidade, enquanto habitat de aves e peixes, devido à elevada produção de matéria orgânica que se verifica e que constitui a base de alimentação de toda a cadeia alimentar característica destas zonas. Uma das suas características mais marcantes é o facto de reunir condições ideais para a reprodução de aves e peixes. É também um local de excelência para a alimentação de um vasto número de aves, o que as torna numa zona excelente para observação de avifauna.
- da bio remediação, pois os sapais intercetam e retêm a água das zonas superiores, permitindo o controlo de inundações e filtram poluentes, melhorando a qualidade da água desempenhando assim, um papel fundamental no equilíbrio ecológico das áreas envolventes.

Em relação à área do Sítio de Importância Comunitária Rede Natura 2000 Fernão Ferro/ Lagoa de Albufeira, localiza-se no limite sudoeste do concelho do Seixal, nas freguesias da Amora e Fernão Ferro, correspondente a um conjunto de Paleodunas Paludificadas, possui um conjunto de lagoas e charcos temporários, associados a depressões intradunares que potenciam a ocorrência de habitats de caráter atlântico, de natureza higrófila e oligotrófica raros e fragmentados, originando uma paisagem única no sudoeste da Europa, dominada pelos povoamentos florestais de pinheiro bravo.

 

A QUEM SE DESTINA?

Com base na constatação do uso generalizado dos equipamentos informáticos, e na apetência das faixas etárias mais jovens para a manipulação das novas tecnologias e aplicações informáticas, idealizou-se a criação de uma aplicação para sistema Androide e iOS, na perspetiva da sensibilização interativa sobre a importância para a Conservação da Natureza e Biodiversidade no Sitio da Rede Natura 2000 Fernão Ferro/ Lagoa de Albufeira e na zona de Estuário (sapal e baia).

 

A aplicação a desenvolver pretende dinamizar os trilhos pedestres, numa extensão total de cerca de 30km, com 25 pontos de interesse associados a observação da avifauna e habitats prioritários, e deverá ser um instrumento de aprendizagem disponibilizando um conjunto de desafios pedagógicos, atrativos e de utilização intuitiva, organizados em função dos vários níveis de ensino.

Neste sentido e de forma objetiva, considerou-se para público-alvo deste projeto, crianças e jovens a partir dos 10 anos de idade. No entanto e sendo certo que as iniciativas propostas não poderão ser desenvolvidas de forma autónoma pelos mais novos, incluir-se-á neste grupo os responsáveis que os acompanhem na dinamização das atividades propostas, nomeadamente professores, animadores ou familiares.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

A Autarquia tem trabalhado no sentido da salvaguarda e valorização do património natural, nomeadamente pela inclusão das diretrizes dos planos nacionais e regionais, nesta matéria, na elaboração das suas ferramentas de gestão do território. Em território municipal integraram-se as orientações do Plano Regional de Ordenamento do Território da Área Metropolitana de Lisboa (PROTLVT), consubstanciadas na Estrutura Ecológica Municipal (EEM) do PDM do Seixal. O PROTLVT, Resolução do Conselho de Ministros n.º 68/2002, publicada no Diário da República nº 82, I Série B, de 8 de abril, define a Estrutura Metropolitana de Proteção e Valorização Ambiental, concretizada no Esquema do Modelo Territorial através da Rede Ecológica Metropolitana (REM), constituída por um conjunto de áreas e respetivas ligações/corredores estruturantes que acautelam a continuidade entre sistemas ecológicos diferentes, garantindo a sua consistência e sustentabilidade, permitindo fluxos de materiais e energia e a mobilidade das espécies.

Ao nível da Educação para a Sustentabilidade, da competência da Divisão de Ambiente e Salubridade (DAMBS), a Câmara Municipal do Seixal tem promovido as temáticas que se relacionam com a “Conservação da Natureza e Biodiversidade” concretizadas num conjunto atividades divulgadas anualmente através do Programa Municipal de Educação para a Sustentabilidade (PMES), e as que se destinam especificamente às escolas, integradas no Plano Educativo Municipal (PEM).

 

QUAIS AS PARCERIAS?

O projeto prevê campanhas de sensibilização e divulgação, garantindo a participação  da comunidade escolar, 5 escolas secundárias, e 8 escolas do 2º e 3º ciclo do Seixal, e cerca de 30 associações integradas no movimento associativo juvenil.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal do Seixal

Divisão de Ambiente e Salubridade
Sónia Lança (Técnica Superior)
T: (+351) 210 976 011
E: div.ambiente.salubridade@cm-seixal.pt