Coordenação

JOAQUIM CARDADOR DOS SANTOS

Presidente do Conselho de Administração

 

MIRIEME FERREIRA

Coordenadora Técnica

VER MAIS
Ler + Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis
Ler + Coordenação
Ler + Rede de Cidades Saudáveis da OMS

Organograma
Órgão deliberativo, constituído por todos os associados. Integram, atualmente, a mesa da assembleia os municípios de Viana do Castelo, Odivelas e Miranda do Corvo.
Composto por um técnico de cada município associado.
Órgão executivo composto por cinco municípios eleitos pela assembleia intermunicipal. Actualmente composto pelo Seixal, Lisboa, Montijo, Oeiras e Palmela.
Estatutos

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis rege-se pelos estatutos publicados no Diário da República – III Série (N.º 5/98 de 7 de janeiro de 1998). Estes estatutos sofreram alterações em escritura a dezembro de 2015, incluindo a alteração da designação da Associação.

DOWNLOAD DOS ESTATUTOS

Parcerias

Porque trabalhar em rede significa, entre outras coisas, potenciar as parcerias existentes, a Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis consolida-se no alargado leque de parceiros locais e (...)
VER MAIS
Alguns membros RPCS


VER MAIS



"UMA CIDADE SAUDÁVEL É AQUELA QUE ESTÁ CONTINUAMENTE A CRIAR E A DESENVOLVER OS SEUS AMBIENTES FÍSICO E SOCIAL, E A EXPANDIR OS RECURSOS COMUNITÁRIOS QUE PERMITEM ÀS PESSOAS APOIAREM-SE MUTUAMENTE NAS VÁRIAS DIMENSÕES DA SUA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DO SEU POTENCIAL MÁXIMO."


GOLDSTEIN E KICKBUSCH (1996)

ÚLTIMOS PROJETOS

Grândola
Universidade Sénior de Grândola - USG

O QUE É?

Uma resposta social que visa criar e dinamizar regularmente atividades culturais, educacionais, de lazer e convívio para os/as maiores de 50 anos, com ou sem experiência escolar, num contexto de formação ao longo da vida, em regime informal.

 

O QUE FAZ?

Incentiva a participação e organização dos maiores de 50 anos, em atividades culturais e de lazer;
Divulga a história, as ciências, as tradições, as artes, os locais e os demais fenómenos culturais;
Promove a informação e divulgação de direitos e deveres;
Desenvolve relações inter pessoais e sociais entre as diferentes gerações (intergeracionalidade);
Trabalha em articulação com outras instituições particulares e ou públicas;
Promove estilos de vida saudáveis e uma maior qualidade de vida;
E promove o desenvolvimento das mais diversas competências
Através de aulas e atividades realizadas por professores voluntários e por técnicos do município das mais diversas áreas (artes, desporto, estimulação cognitiva etc..)

 

A QUEM SE DESTINA?

Pessoas com mais de 50 anos residentes no concelho de Grândola.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

- Níveis elevados de satisfação da população frequentadora (>95%);
- Grau de execução do Plano de atividades superior a 100%;
- Forte adesão da população;

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Projecto Tampas e Caricas; Projecto Enraiz’Artes GNR e Centro de Saúde

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola

Fortunata Ratinho
T: 269 450 000

 

Grândola
RIVDAL

O QUE É?

É uma Rede Integrada de Resposta à Violência Doméstica no Alentejo Litoral, constituída formalmente em 2014, com uma metodologia de intervenção capaz de promover uma atitude de permanente articulação/cooperação interinstitucional e de complementaridade pela potenciação dos recursos localmente disponíveis, no âmbito da Violência Doméstica.

 

O QUE FAZ?

Promoção da melhoria do trabalho de proximidade com vítimas e agressores, através de uma maior qualificação dos/as profissionais que acompanham os casos de violência doméstica, e o contributo para a diminuição do fenómeno no Alentejo Litoral;
Sensibilizar e informar a população em geral para a problemática da violência doméstica e violência de género;
Promover a igualdade de género como estratégia de prevenção e eliminação da violência doméstica e violência de género.

 

A QUEM SE DESTINA?

População em geral e especificamente pessoas vítimas de violência doméstica.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Mapeamento dos recursos existentes no seio das entidades envolvidas;
Conhecimento da realidade territorial do Alentejo Litoral no âmbito da violência doméstica;
Melhoria/reforço da capacidade de resposta às vítimas de violência doméstica no Alentejo Litoral;
Formação em violência doméstica para técnicos/as envolvidos/as.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

ADL – Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano;
Associação Cabo-verdiana de Sines e Santiago do Cacém;
CPCJ – Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém e Sines;
Freguesias de Alvalade; Cercal do Alentejo; S. Teotónio; Santo André; Vila Nova de Milfontes; Stª Maria do Castelo e Santiago; Stª Susana; U.F. de Santiago do Cacém, Santa Cruz e S. Bartolomeu da Serra;
Instituto de Segurança Social, I.P. – Centro Distrital de Setúbal;
Instituto Politécnico de Setúbal;
Intervir.COM – Associação de Promoção de Saúde, Desenvolvimento Social e Cultural;
Municípios de Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém; Sines
MUSA – Associação de Mulheres Unidas Socialmente Ativas Oriundas de Países de Língua Portuguesa em Sines;
Núcleo da Liga dos Combatentes de Vila Nova de St. André;
Santa Casa da Misericórdia de Sines;
TAIPA – Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira;
ULSLA – Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano;
UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta;
Universidade Aberta.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola
Setor de Desenvolvimento Social
T: 269 448 030

E: vera.antunes@cm-grandola.pt

 

VER MAIS
61
MUNICÍPIOS
SAUDÁVEIS
.
Alfândega da Fé
.
Almada
.
Almodôvar
.
Alvito
.
Amadora
.
Amares
.
Avis
.
Azambuja
.
Barrancos
.
Barreiro
.
Beja
.
Braga
.
Bragança
.
Castro Marim
.
Chamusca
.
Coimbra
.
Cuba
.
Figueira da Foz
.
Golegã
.
Gondomar
.
Grândola
.
Guarda
.
Lagoa (Açores)
.
Lagoa (Algarve)
.
Lisboa
.
Loulé
.
Loures
.
Lourinhã
.
Lousã
.
Maia
.
Matosinhos
.
Miranda do Corvo
.
Monchique
.
Monção
.
Montijo
.
Odemira
.
Odivelas
.
Oeiras
.
Palmela
.
Pombal
.
Ponta Delgada
.
Portimão
.
Porto
.
Porto Santo
.
Póvoa de Lanhoso
.
Ribeira Grande
.
Santo Tirso
.
São Roque do Pico
.
Seixal
.
Serpa
.
Sesimbra
.
Setúbal
.
Soure
.
Tábua
.
Torres Vedras
.
Valongo
.
Viana do Alentejo
.
Viana do Castelo
.
Vidigueira
.
Vila Franca de Xira
.
Vila Real
 Um município saudável é 
 inclusivo, sensível e para 
 todos os cidadãos 
A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis é uma associação que tem como missão apoiar a divulgação, implementação e desenvolvimento do projeto Cidades Saudáveis nos municípios que pretendam assumir a promoção da saúde como uma prioridade da agenda dos decisores políticos.


^
v
PROJETOS

Programa de Consumo Vigiado Móvel (PCVM)

 

O QUE É?

O Programa de Consumo Vigiado Móvel (PCVM) é um programa de redução de riscos e minimização de danos (RRMD), constituído por uma equipa multidisciplinar, onde as pessoas podem consumir substâncias psicoativas, trazidas pelas próprias, sob supervisão de profissionais treinados para educar para um consumo mais seguro e atuar em caso de sobredosagem ou outras situações de emergência.

 

O QUE FAZ?

O PCVM oferece um conjunto de serviços, nomeadamente, cuidados de saúde primários, atendimento psicossocial, suporte por pares, rastreio às infeções pelo VIH, Hepatites B e C, e Sífilis, encaminhamento e acompanhamento para outros serviços, e distribuição de material de prevenção, que vão para além da disponibilização de um espaço seguro para efetuar o consumo injetado
O PCVM tem quatro paragens fixas em três freguesias de Lisboa: Arroios, Beato e Areeiro.

 

A QUEM SE DESTINA?

Consumidores de drogas que estão em maior risco, tanto pelas práticas de consumo, como pela sua situação social e de saúde.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

O PCVM tem 210 utentes registados e em 2020 realizou um total de 2658 atendimentos, incluindo 1146 episódios de consumo vigiado 541 episódios de saúde, 490 episódios psicossociais, 220 sessões de rastreio, 163 encaminhamentos e 103 acompanhamentos a outros serviços. 2020 foi também o ano em que o PCVM alargou o horário e área geográfica de intervenção, passando a funcionar 7 dias por semana em três freguesias de Lisboa: Arroios, Beato e Areeiro. Foi também possível aumentar a intervenção em outreach, abrangendo outras freguesias além das já mencionadas, como Santa Maria Maior e Marvila, com o objetivo de divulgar o programa, identificar locais de consumo a céu aberto, sinalizar situações, fazer mediação comunitária, e levar a cabo iniciativas de limpeza do território. Foi também implementado um programa específico de formação e acompanhamento de pares, em parceria com a Associação CASO Portugal, que é dirigido aos pares que trabalham na unidade móvel e aos utentes do Programa que preencham os requisitos em termos de perfil e tenham interesse em integrar uma bolsa de formação/emprego de baixo limiar. No âmbito da bolsa de pares foram dinamizadas diversas atividades: 50 saídas de outreach, participação em duas campanhas de ativismo, realização de um documentário, 8 reuniões entre pares, 5 das quais do grupo que foi criado e que é dirigido especificamente a mulheres. O PCVM produziu ainda diversos materiais de divulgação e informação, que estão disponíveis online.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

É uma iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa (CML), implementado em parceria pela Associação Médicos do Mundo (MdM) e Grupo de Ativistas em Tratamentos (GAT), que conta com apoio técnico e institucional do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) e da Divisão de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (DICAD) da ARSLVT.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

Departamento para os Direitos Sociais
Divisão para a Intervenção Social
T: 218 173 666 | 218 173 665 | 218 173 662
E: vulnerabilidades@cm-lisboa.pt