Coordenação

JOAQUIM CARDADOR DOS SANTOS

Presidente do Conselho de Administração

 

MIRIEME FERREIRA

Coordenadora Técnica

VER MAIS
Ler + Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis
Ler + Coordenação
Ler + Rede de Cidades Saudáveis da OMS

Organograma
Órgão deliberativo, constituído por todos os associados. Integram, atualmente, a mesa da assembleia os municípios de Viana do Castelo, Odivelas e Miranda do Corvo.
Composto por um técnico de cada município associado.
Órgão executivo composto por cinco municípios eleitos pela assembleia intermunicipal. Actualmente composto pelo Seixal, Lisboa, Montijo, Oeiras e Palmela.
Estatutos

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis rege-se pelos estatutos publicados no Diário da República – III Série (N.º 5/98 de 7 de janeiro de 1998). Estes estatutos sofreram alterações em escritura a dezembro de 2015, incluindo a alteração da designação da Associação.

DOWNLOAD DOS ESTATUTOS

Parcerias

Porque trabalhar em rede significa, entre outras coisas, potenciar as parcerias existentes, a Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis consolida-se no alargado leque de parceiros locais e (...)
VER MAIS
Alguns membros RPCS


VER MAIS



"UMA CIDADE SAUDÁVEL É AQUELA QUE ESTÁ CONTINUAMENTE A CRIAR E A DESENVOLVER OS SEUS AMBIENTES FÍSICO E SOCIAL, E A EXPANDIR OS RECURSOS COMUNITÁRIOS QUE PERMITEM ÀS PESSOAS APOIAREM-SE MUTUAMENTE NAS VÁRIAS DIMENSÕES DA SUA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DO SEU POTENCIAL MÁXIMO."


GOLDSTEIN E KICKBUSCH (1996)

ÚLTIMOS PROJETOS

Avis
Caminhadas

O QUE É?

Caminhar proporciona um convívio saudável entre os participantes, levando-os a conhecer/descobrir as várias localidades do concelho e as suas paisagens. Contribui não só para a promoção de saúde e de estilos de vida saudável como também para a promoção da saúde física e mental.

 

O QUE FAZ?

Realização de 13 caminhadas ao longo do ano, distribuídas pelas várias freguesias, em que se pretende desta forma, valorizar o património natural e histórico do concelho, bem como, o bem-estar físico, social e mental dos participantes.

 

A QUEM SE DESTINA? 

A toda a população.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Mais saúde, mais convívio, mais e melhor qualidade de vida e cada vez mais participantes.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Associações do Concelho de Avis;
Juntas de Freguesia do Concelho de Avis.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA? 

Câmara Municipal de Avis
Divisão de Desenvolvimento Sociocultural e Turismo
T:242 410 088
E: ddsc@cm-avis.pt

 

Avis
Avis+

O QUE É?

É um programa do Município de Avis que pretende ocupar os jovens em atividades de interesse municipal, permitindo-lhes o contacto experimental com a vida profissional, despertando ou aprofundando as suas capacidades cívicas e de participação social, apoiando-os face às dificuldades do momento presente.

 

O QUE FAZ?

A colocação dos jovens no presente programa tem uma duração mínima de um e máxima de seis meses, eventualmente renovável por mais três meses.
Os jovens são ocupados no desenvolvimento de atividades nas seguintes áreas: educação, ciência, animação cultural, património, turismo, desporto, intervenção social, ambiente, proteção civil, apoio a idosos e crianças, manutenção de equipamentos e espaços públicos.
São conferidos os seguintes apoios: bolsa horária de montante a definir anualmente pelo Município e seguro de acidentes pessoais.

 

A QUEM SE DESTINA? 

Destina-se a jovens, residentes no concelho de Avis, à procura do primeiro emprego ou que estejam desempregados, com idades compreendidas entre os 18 e os 40 anos ou, no caso de integrarem famílias monoparentais ou serem portadores de deficiência, até aos 45 anos, inclusive.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Em 2018 participaram 20 jovens.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Câmara Municipal de Avis

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA? 

Câmara Municipal de Avis
Divisão de Desenvolvimento Sociocultural e Turismo
T:242 410 088
E: ddsc@cm-avis.pt | angela.marques@cm-avis.pt

 

VER MAIS
57
MUNICÍPIOS
SAUDÁVEIS
.
Alfândega da Fé
.
Almada
.
Almodôvar
.
Alvito
.
Amadora
.
Amares
.
Avis
.
Azambuja
.
Barrancos
.
Barreiro
.
Beja
.
Braga
.
Bragança
.
Castro Marim
.
Coimbra
.
Cuba
.
Figueira da Foz
.
Golegã
.
Gondomar
.
Guarda
.
Lagoa (Açores)
.
Lagoa (Algarve)
.
Lisboa
.
Loulé
.
Loures
.
Lourinhã
.
Lousã
.
Maia
.
Matosinhos
.
Miranda do Corvo
.
Monchique
.
Monção
.
Montijo
.
Odemira
.
Odivelas
.
Oeiras
.
Palmela
.
Ponta Delgada
.
Portimão
.
Porto
.
Porto Santo
.
Póvoa de Lanhoso
.
Ribeira Grande
.
Santo Tirso
.
Seixal
.
Serpa
.
Sesimbra
.
Setúbal
.
Soure
.
Tábua
.
Torres Vedras
.
Valongo
.
Viana do Alentejo
.
Viana do Castelo
.
Vidigueira
.
Vila Franca de Xira
.
Vila Real
 Um município saudável é 
 inclusivo, sensível e para 
 todos os cidadãos 
A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis é uma associação que tem como missão apoiar a divulgação, implementação e desenvolvimento do projeto Cidades Saudáveis nos municípios que pretendam assumir a promoção da saúde como uma prioridade da agenda dos decisores políticos.


^
v
PROJETOS

Núcleo Museológico do Sal

 

O que é?

O Núcleo Museológico do Sal (NMSal) foi inaugurado a 17 de agosto de 2007, com o objetivo de interpretar, valorizar e difundir testemunhos singulares reportados à relação secular do Homem com o território das salinas do concelho da Figueira da Foz, situando-se na Salina Municipal do Corredor da Cobra, adquirida em 2000 com o intuito de promover a reativação e manutenção contínua da atividade salineira. Este complexo cultural e ambiental integra um Armazém de Sal, uma Rota Pedestre pelo salgado, uma Rota Fluvial pelo estuário do Rio Mondego e ainda um observatório de aves com um leitor de paisagem do território que o abraça.

 

O conceito geral do espaço baseia-se na ideia de que as salinas e o sal são uma atividade em que se cruzam múltiplos aspetos – históricos, etnográficos, paisagísticos, ambientais e económicos – explorados de forma integrada, sendo o NMSal um ponto âncora, tendo sido apresentada a candidatura do sal tradicional a património imaterial.

 

O que faz?

Sendo um espaço museológico interpretativo, assume-se como um centro de informação, educação e sensibilização de diversos públicos para a necessidade de preservação de uma atividade tradicional e de um produto artesanal, contribuindo assim, de forma integrada, para a valorização deste património como fator de desenvolvimento local sustentável.

 

É um centro local e nacional aberto à investigação e informação sobre a riqueza da biodiversidade do seu ecossistema-tipo e uma unidade didática de lazer e de interatividade.

 

É um espaço que proporciona aos diversos públicos que o visitam experiências únicas e particulares. O visitante é confrontado com a explanação de cinco grandes temas: O que é o Sal; O Sal na Natureza; História do Sal em Portugal; A Tecnologia do Sal na Figueira da Foz e O Ciclo de Produção; e As Salinas e a Conservação da Natureza.

 

Os visitantes têm ainda acesso a informação diversificada que consta do Roteiro sobre o NMSal e o salgado, bem como do Guia de Aves do Salgado da Figueira da Foz (pernilongos e flamingos, entre outras aves), podendo também percorrer a Rota das Salinas (circuito pedonal que pretende dotar o caminhante de informação adicional sobre a salicultura, os marnotos, o território e o ecossistema envolvente) e colher salicórnia (planta halófita que cresce nas salinas).

 

Em Agosto de 2015, o Núcleo Museológico do Sal inaugurou o primeiro “Pedarium” português, uma pequena infraestrutura sazonal destinada à utilização do sal tradicional como forma de terapia, saúde e bem-estar, que aproveita a tipologia das salinas e respeita, na sua totalidade, o meio ambiente, na medida em que o material utilizado foi apenas e somente a madeira de pinho não tratado, um elemento vulgarmente utilizado no salgado figueirense.

 

Existem também diversas outras atividades, sazonais, como a “safra” (reconstituição da recolha do sal), a “despesca” (apanha de peixe na salina), atividades que harmonizam a atividade física com os ecossistemas (caminhadas, passeios de kayak, yoga), showcooking com salicórnia, sessões de sensibilização sobre literacia em saúde e múltiplas iniciativas que constituem atividades “âncora” e articulam arte, cultura, gastronomia, ciência, saúde e bem-estar.

 

A quem se destina?

População em geral, incluindo visitantes, famílias e grupos organizados, mas também população escolar e população sénior, envolvendo ainda toda a comunidade local com ligação ao território em que se insere o NMSal.

 

Que resultados foram atingidos?

- Dinamização do território, construindo uma estratégia global e integrada, promovendo, difundindo e apoiando a reativação e a manutenção da atividade salineira e a coesão dos agentes locais.

- Valorização da importância do salgado, divulgação da utilização do sal tradicional, da flor de sal e da salicórnia, trabalhando estes produtos de forma articulada com os conceitos de saúde e de bem-estar, bem como atração de novos públicos e sensibilização para a conservação do ecossistema.

 

Quais as parcerias?

Sendo um equipamento municipal - criado no decurso das candidaturas aos projetos comunitários ALAS, SALAtlantis e Ecosal –ao longo dos anos foram sendo desenvolvidas múltiplas parcerias, com especial envolvimento da comunidade local, dos produtores de sal e dos marnotos (trabalhadores responsáveis pelas salinas), bem como dos agentes locais que de alguma forma têm tradicionalmente ligação ao salgado.

 

Os agentes culturais e turísticos, nomeadamente a hotelaria e a restauração, procuram também o NMSal, cada vez mais e de forma regular, para aqui desenvolverem atividades diversas (exposições, teatro e outras) e trazerem visitantes. Entre muitas outras parcerias, refere-se o meio académico, especialmente a Universidade de Aveiro e a Universidade de Coimbra, não só a crescente procura de temas e investigação no âmbito de teses de mestrado e de doutoramento, mas também com a recente e importante colaboração e participação do Marefoz e do Programa Ciência Viva.

 

Os agentes locais que promovem atividades nas áreas da saúde e bem-estar, reconhecendo o enorme potencial do território, desenvolvem diversas iniciativas em parceira com o NMSal, incluindo o Programa Municipal Figueira Cidade Saudável - Município da Figueira da Foz.

 

Quais os contactos de referência?

Núcleo Museológico do Sal
Armazéns de Lavos
Salina Municipal do Corredor da Cobra
3090-451 Lavos

 

T: 233 402 840

TLM: 966 344 488
E: nucleo.sal@cm-figfoz.pt