Coordenação

PAULO ALEXANDRE SILVA

Presidente do Conselho de Administração

 

MIRIEME FERREIRA

Coordenadora Técnica

VER MAIS
Ler + Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis
Ler + Coordenação
Ler + Organograma

Organograma
Órgão deliberativo, constituído por todos os associados. Integram, atualmente, a mesa da assembleia os municípios de Viana do Castelo, Odivelas e Miranda do Corvo.
Composto por um técnico de cada município associado.
Órgão executivo composto por cinco municípios eleitos pela assembleia intermunicipal. Atualmente composto pelo Seixal, Lisboa, Montijo, Setúbal e Torres Vedras.
Estatutos

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis rege-se pelos estatutos publicados no Diário da República – III Série (N.º 5/98 de 7 de janeiro de 1998). Estes estatutos sofreram alterações em escritura a dezembro de 2015, incluindo a alteração da designação da Associação.

DOWNLOAD DOS ESTATUTOS

Parcerias

Porque trabalhar em rede significa, entre outras coisas, potenciar as parcerias existentes, a Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis consolida-se no alargado leque de parceiros locais e (...)
VER MAIS
Alguns membros RPCS


VER MAIS



"UMA CIDADE SAUDÁVEL É AQUELA QUE ESTÁ CONTINUAMENTE A CRIAR E A DESENVOLVER OS SEUS AMBIENTES FÍSICO E SOCIAL, E A EXPANDIR OS RECURSOS COMUNITÁRIOS QUE PERMITEM ÀS PESSOAS APOIAREM-SE MUTUAMENTE NAS VÁRIAS DIMENSÕES DA SUA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DO SEU POTENCIAL MÁXIMO."


GOLDSTEIN E KICKBUSCH (1996)

ÚLTIMOS PROJETOS

Grândola
Não Deixar Ninguém para Trás

O QUE É?

Projeto de inclusão social que pretende criar oportunidades a todos/as através da oferta de atividades/workshops em 7 áreas: Música; Teatro; Artes Plásticas; Surf Adaptado; Ioga e Meditação; Ginástica; Pedalar sem barreiras.

 

O QUE FAZ?

Até dezembro de 2023, os workshops das 7 áreas acima descritas, estarão disponíveis gratuitamente no concelho de Grândola. 

 

A QUEM SE DESTINA?

Para todas as pessoas, independentemente da sua funcionalidade física ou intelectual, religião, origem étnica, nacionalidade, profissão,...

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

O projeto encontra-se em marcha desde setembro de 2022, onde se completaram as parcerias e a fase de divulgação. Os workshops começaram em dezembro e já conta com 47 inscrições.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Câmara Municipal de Grândola; Junta de Freguesia de Grândola e Santa Margarida da Serra; Junta de Freguesia de Melides; Casa do Povo de Melides; Lufada D'ideias, Associação Cultural; CERCI Grândola; Universidade Sénior; Passo a Passo, Associação de Desenvolvimento do Torrão; Associação de Desenvolvimento e Apoio Integrado de Cadoços; Associação de Amigos e Moradores da Silha do Pascoal; Associação Cultural e Desportiva Aldeia do Futuro; Associação de Moradores e Amigos da
Aldeia do Pico; Junta de Freguesia do Carvalhal; Juventude Desportiva do Carvalhal; Junta de Freguesia de Azinheira dos Barros e S. Mamede de Sádão; Casa do Povo de Azinheira dos Barros; Centro Comunitário do Lousal

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Centro de Artes para a Inclusão

Núcleo Pais em Rede de Grândola


E: naodeixarninguemparatras.per@gmail.com

T: 935 304 287

Grândola
Centro Municipal de Marcha e Corrida de Grândola

O QUE É?

O Centro Municipal de Marcha e Corrida de Grândola é um local constituído por um conjunto vasto de instalações (gabinete de apoio técnico, percursos definidos para a marcha e corrida, pista de atletismo, materiais e acessórios da modalidade de atletismo, balneários, bebedouros e zonas de repouso), onde os munícipes inscritos poderão realizar em segurança, as atividades físicas que se desenvolvem, com acompanhamento permanente dos técnicos especializados.

O Centro Municipal de Marcha e Corrida de Grândola integra o conjunto de 107 Centros Municipais de Marcha e Corrida existentes em Portugal e Ilhas, e foi inaugurado em maio de 2017, tendo sido o primeiro Centro Municipal a abrir portas no distrito de Setúbal.

O Centro Municipal de Marcha e Corrida de Grândola resulta da ativação e implementação do Programa Nacional de Marcha e Corrida.
O Programa Nacional de Marcha e Corrida é um projeto desportivo impulsionado pelo Instituto Português do Desporto e Juventude e pela Federação Portuguesa de Atletismo.

 

O QUE FAZ?

O Centro Municipal de Grândola e Corrida de Grândola desenvolve a realização orientada e acompanhada de treinos de marcha e corrida, o aperfeiçoamento da técnica da corrida e da melhoria da condição física dos seus praticantes, 3 vezes por semana com a duração de 90 minutos cada, à 2ª, 4ª e 5ª feira, entre as 19h00 e as 20h30, no Parque Desportivo Municipal de Grândola.
Promove a mobilização da população em geral para a prática desportiva e com isso melhorar os índices de saúde e aptidão física.
Promove e combate a obesidade e o sedentarismo.
Desenvolve e reforça junto da população, um ambiente encorajador de um estilo de vida ativo.
Contribui para o aumento de praticantes de marcha e corrida nos concelhos aderentes ao projeto.
Promove a integração e a socialização dos praticantes.

 

A QUEM SE DESTINA?

Destina-se a todos os indivíduos com idade igual ou superior a 16 anos, que detenham condições de saúde para realizarem as atividades propostas e desenvolvidas pelo Centro Municipal de Marcha e Corrida de Grândola.
Para a frequência regular aos treinos deste Centro Municipal, será necessário efetuar a inscrição no Programa Nacional de Marcha e Corrida, que consequentemente originará e ativará o seguro de acidentes pessoais dos praticantes amadores e dos agentes desportivos. Este seguro é válido desde o momento da inscrição até ao dia 31 de julho de cada ano.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Atraiu o interesse e o gosto para a prática regular de marcha e corrida, tornando os praticantes mais ativos e menos sedentários.
Aos que se iniciaram na Corrida, foi incutido o espírito de competição por via da participação dos praticantes em competições de atletismo.
Melhor entendimento dos benefícios que a prática regular de exercício físico proporciona à saúde de cada individuo.
Desde a sua inauguração e até ao momento já se inscreveram cerca de 250 munícipes.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Clube Amiciclo de Grândola e Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola
T: 269 450 085

E: desporto.juventude@cm-grandola.pt

 

VER MAIS
65
MUNICÍPIOS
SAUDÁVEIS
.
Alenquer
.
Alfândega da Fé
.
Almada
.
Almodôvar
.
Alvito
.
Amadora
.
Amares
.
Avis
.
Azambuja
.
Barrancos
.
Barreiro
.
Braga
.
Bragança
.
Calheta (Açores)
.
Castro Marim
.
Chamusca
.
Coimbra
.
Cuba
.
Figueira da Foz
.
Golegã
.
Gondomar
.
Grândola
.
Guarda
.
Lagoa (Açores)
.
Lagoa (Algarve)
.
Lisboa
.
Loulé
.
Loures
.
Lourinhã
.
Lousã
.
Maia
.
Matosinhos
.
Miranda do Corvo
.
Monchique
.
Monção
.
Montijo
.
Odemira
.
Odivelas
.
Oeiras
.
Palmela
.
Penafiel
.
Pombal
.
Ponta Delgada
.
Portimão
.
Porto
.
Porto Santo
.
Póvoa de Lanhoso
.
Ribeira Grande
.
Santo Tirso
.
São Roque do Pico
.
Seixal
.
Serpa
.
Sesimbra
.
Setúbal
.
Soure
.
Tavira
.
Tábua
.
Torres Vedras
.
Valongo
.
Viana do Alentejo
.
Viana do Castelo
.
Vidigueira
.
Vila Franca de Xira
.
Vila Nova de Famalicão
.
Vila Real
 Um município saudável é 
 inclusivo, sensível e para 
 todos os cidadãos 
A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis é uma associação que tem como missão apoiar a divulgação, implementação e desenvolvimento do projeto Cidades Saudáveis nos municípios que pretendam assumir a promoção da saúde como uma prioridade da agenda dos decisores políticos.

Notícias

Câmara criou Conselho Municipal de Saúde de Coimbra

 

A Câmara Municipal (CM) de Coimbra reuniu, no passado dia 16 de setembro, o Conselho Municipal de Saúde de Coimbra (CMSC), pela primeira vez após a sua criação, no mês de julho. Trata-se, pois, de um órgão consultivo destinado a promover a articulação e cooperação entre as várias entidades, locais, regionais e nacionais que operam no âmbito da saúde, de forma a facilitar uma abordagem integrada no planeamento e na construção da Estratégia Municipal de Saúde, que a autarquia já tem em curso e que deverá estar concluída no primeiro trimestre de 2021. Uma reunião que decorreu na antiga igreja do Convento São Francisco, inserida numa semana em que a autarquia deu especial atenção à temática da saúde, com a realização de diversas iniciativas a propósito da celebração do Dia do SNS.

A CM Coimbra reuniu, pela primeira vez desde a sua constituição, o CMSC. Na ordem do dia esteve, para além da instalação do órgão, apresentação dos membros e distribuição do regimento, a Estratégia Municipal de Saúde. O presidente da CM de Coimbra, Manuel Machado, disse no dia, em declarações à agência Lusa, que o CMSC vai contribuir para que o município seja cada vez mais “saudável e inclusivo” e usufruído por pessoas de “todas as idades”.

A criação deste conselho surge na sequência da transferência de competências na área da saúde para a autarquia, concretizada no decreto-lei n.º 23/2019, e reveste-se da maior importância para o desenvolvimento da atuação da CM Coimbra no domínio da saúde. “O Conselho Municipal de Saúde de Coimbra, enquanto estrutura consultiva no domínio da saúde, proporcionará ao Município de Coimbra uma intervenção estrategicamente concertada e democraticamente participada entre o poder político nacional, regional e local, os diversos setores sociais e da saúde, sociedade civil e forças vivas da comunidade, contribuindo para uma abordagem integrada na construção de uma Estratégia Municipal de Saúde e na definição de uma política municipal de saúde.”, lê-se no preâmbulo do regimento do CMSC.

É o próprio decreto-lei n.º 23/2019 que prevê que, em cada município, seja criado um Conselho Municipal de Saúde, que tem como competências: contribuir para a definição de uma política de saúde a nível municipal; emitir parecer sobre a Estratégia Municipal de Saúde; emitir parecer sobre o planeamento da rede de Unidades de Cuidados de Saúde Primários; propor o desenvolvimento de programas de promoção de saúde e prevenção da doença; promover a troca de informações e cooperação entre as entidades representadas; recomendar a adoção de medidas e apresentar propostas e sugestões sobre questões relativas à saúde; analisar o funcionamento dos estabelecimentos de saúde integrados no processo de descentralização de competências, refletir sobre as causas das situações analisadas e propor as ações adequadas à promoção da eficiência e eficácia do sistema de saúde.

O CMSC é presidido pelo presidente da CM Coimbra e composto ainda pelo presidente da Assembleia Municipal; um presidente de Junta de Freguesia, eleito em Assembleia Municipal, em representação das freguesias do município; um representante da Administração Regional de Saúde do Centro; diretores executivos e os presidentes dos Conselhos Clínicos e de Saúde dos Agrupamentos de Centros de Saúde; um representante das Instituições Particulares de Solidariedade Social, designado, anualmente, pelo órgão executivo de associação representativa das mesmas, em regime de rotatividade; um representante dos serviços de Segurança Social, designado pelo respetivo Conselho Diretivo; e um representante das associações da área da saúde, por acordo entre as mesmas.

Podem, ainda, a convite do presidente da CM Coimbra, ou por proposta de pelo menos um terço dos membros do CMSC, ser convidados a participar nas reuniões, sem direito a voto, personalidades de reconhecido mérito na área da saúde quando a sua contribuição para a discussão das matérias em agenda seja considerada pertinente para uma boa decisão. “A saúde na cidade também implica a participação de quem contribui ou pode contribuir para a melhoria da sua qualidade” em áreas tão diversas como as da mobilidade, do urbanismo ou o ambiente, sustentou o autarca, em declarações à Lusa.

A composição do CMSC é coincidente com a duração do mandato autárquico. O CMSC funciona em plenário e deverá reunir, ordinariamente, duas vezes por ano, sendo as reuniões convocadas pelo presidente do CMSC com a antecedência mínima de dez dias. O plenário funciona com a presença da maioria dos seus membros. Cada membro tem direito a um voto e a CMSC delibera por maioria dos votos dos membros presentes, sendo que, em caso de empate, o presidente tem direito a voto de qualidade.

Recorde-se que a CM Coimbra encomendou a elaboração de um estudo, que vai servir de base para a definição estratégica da autarquia nesta área, a uma equipa de investigação da Universidade de Coimbra e que, numa fase inicial, passou pela realização de um questionário à população sobre saúde e bem-estar no concelho. A Estratégia Municipal de Saúde do Município de Coimbra deverá estar concluída no primeiro trimestre de 2021, adiantou ainda, nesse dia, Manuel Machado, sublinhando que a Câmara está empenhada neste projeto há cerca de um ano e que está a acelerar “os trabalhos no terreno” na expectativa de também, assim, encontrar respostas para a pandemia de COVID-19.


LISTA DE NOTÍCIAS