Coordenação

JOAQUIM CARDADOR DOS SANTOS

Presidente do Conselho de Administração

 

MIRIEME FERREIRA

Coordenadora Técnica

VER MAIS
Ler + Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis
Ler + Coordenação
Ler + Rede de Cidades Saudáveis da OMS

Organograma
Órgão deliberativo, constituído por todos os associados. Integram, atualmente, a mesa da assembleia os municípios de Viana do Castelo, Odivelas e Miranda do Corvo.
Composto por um técnico de cada município associado.
Órgão executivo composto por cinco municípios eleitos pela assembleia intermunicipal. Actualmente composto pelo Seixal, Lisboa, Montijo, Oeiras e Palmela.
Estatutos

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis rege-se pelos estatutos publicados no Diário da República – III Série (N.º 5/98 de 7 de janeiro de 1998). Estes estatutos sofreram alterações em escritura a dezembro de 2015, incluindo a alteração da designação da Associação.

DOWNLOAD DOS ESTATUTOS

Parcerias

Porque trabalhar em rede significa, entre outras coisas, potenciar as parcerias existentes, a Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis consolida-se no alargado leque de parceiros locais e (...)
VER MAIS
Alguns membros RPCS


VER MAIS



"UMA CIDADE SAUDÁVEL É AQUELA QUE ESTÁ CONTINUAMENTE A CRIAR E A DESENVOLVER OS SEUS AMBIENTES FÍSICO E SOCIAL, E A EXPANDIR OS RECURSOS COMUNITÁRIOS QUE PERMITEM ÀS PESSOAS APOIAREM-SE MUTUAMENTE NAS VÁRIAS DIMENSÕES DA SUA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DO SEU POTENCIAL MÁXIMO."


GOLDSTEIN E KICKBUSCH (1996)

ÚLTIMOS PROJETOS

Grândola
RIVDAL

O QUE É?

É uma Rede Integrada de Resposta à Violência Doméstica no Alentejo Litoral, constituída formalmente em 2014, com uma metodologia de intervenção capaz de promover uma atitude de permanente articulação/cooperação interinstitucional e de complementaridade pela potenciação dos recursos localmente disponíveis, no âmbito da Violência Doméstica.

 

O QUE FAZ?

Promoção da melhoria do trabalho de proximidade com vítimas e agressores, através de uma maior qualificação dos/as profissionais que acompanham os casos de violência doméstica, e o contributo para a diminuição do fenómeno no Alentejo Litoral;
Sensibilizar e informar a população em geral para a problemática da violência doméstica e violência de género;
Promover a igualdade de género como estratégia de prevenção e eliminação da violência doméstica e violência de género.

 

A QUEM SE DESTINA?

População em geral e especificamente pessoas vítimas de violência doméstica.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Mapeamento dos recursos existentes no seio das entidades envolvidas;
Conhecimento da realidade territorial do Alentejo Litoral no âmbito da violência doméstica;
Melhoria/reforço da capacidade de resposta às vítimas de violência doméstica no Alentejo Litoral;
Formação em violência doméstica para técnicos/as envolvidos/as.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

ADL – Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano;
Associação Cabo-verdiana de Sines e Santiago do Cacém;
CPCJ – Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém e Sines;
Freguesias de Alvalade; Cercal do Alentejo; S. Teotónio; Santo André; Vila Nova de Milfontes; Stª Maria do Castelo e Santiago; Stª Susana; U.F. de Santiago do Cacém, Santa Cruz e S. Bartolomeu da Serra;
Instituto de Segurança Social, I.P. – Centro Distrital de Setúbal;
Instituto Politécnico de Setúbal;
Intervir.COM – Associação de Promoção de Saúde, Desenvolvimento Social e Cultural;
Municípios de Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém; Sines
MUSA – Associação de Mulheres Unidas Socialmente Ativas Oriundas de Países de Língua Portuguesa em Sines;
Núcleo da Liga dos Combatentes de Vila Nova de St. André;
Santa Casa da Misericórdia de Sines;
TAIPA – Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira;
ULSLA – Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano;
UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta;
Universidade Aberta.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola
Setor de Desenvolvimento Social
T: 269 448 030

E: vera.antunes@cm-grandola.pt

 

Grândola
Centro para a Promoção da Saúde Mental "Passo a Passo"

O QUE É?

Procura intervir, na comunidade, junto de indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos e/ou respetiva família/cuidadores que enfrentem problemas de saúde mental e/ou problemas de integração social. Esta resposta oferece, como aspeto inovador, a disponibilização na comunidade de serviços terapêuticos gratuitos no âmbito da saúde mental com uma vertente individual e familiar.

 

O QUE FAZ?

- Intervenção psicoterapêutica ao indivíduo e/ou respetiva família;
- Apoio psicopedagógico e social;
- Articulação com serviços de saúde, segurança social, ação social, emprego, forças de segurança, entre outros;
- Visitas domiciliárias;
- Desenvolvimento de ações de prevenção (informação e divulgação) e promoção da saúde mental;
- Desenvolvimento de programas terapêuticos de desenvolvimento de competências pessoais e sociais;
- Desenvolvimento de programas terapêuticos de desenvolvimento de competências de vida diária;
- Desenvolvimento de programas terapêutiMunicípios de Grândola e Alcácer do Sal e Associação para o Desenvolvimento do Torrão

Indivíduos com 18 anos ou mais com problemas de saúde mental e/ou suas famílias.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Projeto iniciou em 2021.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Municípios de Grândola e Alcácer do Sal e Associação para o Desenvolvimento do Torrão

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Grândola
Setor de Desenvolvimento Social
T: 269 448 030

 

VER MAIS
61
MUNICÍPIOS
SAUDÁVEIS
.
Alfândega da Fé
.
Almada
.
Almodôvar
.
Alvito
.
Amadora
.
Amares
.
Avis
.
Azambuja
.
Barrancos
.
Barreiro
.
Beja
.
Braga
.
Bragança
.
Castro Marim
.
Chamusca
.
Coimbra
.
Cuba
.
Figueira da Foz
.
Golegã
.
Gondomar
.
Grândola
.
Guarda
.
Lagoa (Açores)
.
Lagoa (Algarve)
.
Lisboa
.
Loulé
.
Loures
.
Lourinhã
.
Lousã
.
Maia
.
Matosinhos
.
Miranda do Corvo
.
Monchique
.
Monção
.
Montijo
.
Odemira
.
Odivelas
.
Oeiras
.
Palmela
.
Pombal
.
Ponta Delgada
.
Portimão
.
Porto
.
Porto Santo
.
Póvoa de Lanhoso
.
Ribeira Grande
.
Santo Tirso
.
São Roque do Pico
.
Seixal
.
Serpa
.
Sesimbra
.
Setúbal
.
Soure
.
Tábua
.
Torres Vedras
.
Valongo
.
Viana do Alentejo
.
Viana do Castelo
.
Vidigueira
.
Vila Franca de Xira
.
Vila Real
 Um município saudável é 
 inclusivo, sensível e para 
 todos os cidadãos 
A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis é uma associação que tem como missão apoiar a divulgação, implementação e desenvolvimento do projeto Cidades Saudáveis nos municípios que pretendam assumir a promoção da saúde como uma prioridade da agenda dos decisores políticos.

Iniciativas

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis promove anualmente um conjunto de iniciativas que dão a conhecer o trabalho que desenvolve, ao mesmo tempo que estreita a cooperação entre os municípios associados e parceiros, promovendo a troca de experiências e de boas práticas em matéria de promoção da saúde.



Prémio de Reconhecimento Científico

Bienalmente, a Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis atribui um Prémio de Reconhecimento Científico, que tem como principais objetivos: 

 

- Distinguir o melhor trabalho de investigação no contexto do tema definido, que contemple aspetos inovadores em termos de Saúde Pública Urbana, promovendo um acréscimo de conhecimento nesta área; 

 

- Dar a conhecer trabalhos de investigação na área da Saúde Urbana que contribuam para criar cidades mais saudáveis, do ponto de vista da saúde, das acessibilidades e transportes, do ambiente e desenvolvimento sustentável, do planeamento urbano, da assistência e apoio social, dos estilos e condições de vida, da pobreza e exclusão social, das necessidades especiais de grupos mais vulneráveis da população; 

 

- Promover a investigação enquanto suporte técnico a orientações estratégicas e políticas; 

 

- Criar hábitos de participação cívica em áreas fulcrais para o desenvolvimento urbano.

 

Prémios atribuídos até ao momento:

 

2003

1.º lugar – “Lares para Idosos em Meio Urbano”, de António Manuel Tavares, Maria Etelvina de Sousa Cale e Maria Amélia Sousa Moreira Barroso de Moura, e “Exercício Físico e Metabolismo Ósseo em Mulheres Idosas”, de Maria de Fátima Marcelina Baptista

 

2005

1.º lugar – “Modificações no Clima de Lisboa como Consequência do Crescimento Urbano“, de António Manuel Saraiva Lopes

 

2.º lugar –"À Espera do Comboio na Paragem do Autocarro ou As Implicações do Stresse em Meio Urbano sobre a Saúde e a Qualidade de Vida”, de Sandra Cristina Fialho Aguiar

 

3.º lugar – “Espaço Agrícola de Almada. Sistema de Parques Agrícolas”, de Ricardo Francisco Ferreira de Sousa. 


Documentos

LISTA DE INICIATIVAS