Coordenação

JOAQUIM CARDADOR DOS SANTOS

Presidente do Conselho de Administração

 

MIRIEME FERREIRA

Coordenadora Técnica

VER MAIS
Ler + Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis
Ler + Coordenação
Ler + Rede de Cidades Saudáveis da OMS

Organograma
Órgão deliberativo, constituído por todos os associados. Integram, atualmente, a mesa da assembleia os municípios de Viana do Castelo, Odivelas e Miranda do Corvo.
Composto por um técnico de cada município associado.
Órgão executivo composto por cinco municípios eleitos pela assembleia intermunicipal. Actualmente composto pelo Seixal, Lisboa, Montijo, Oeiras e Palmela.
Estatutos

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis rege-se pelos estatutos publicados no Diário da República – III Série (N.º 5/98 de 7 de janeiro de 1998). Estes estatutos sofreram alterações em escritura a dezembro de 2015, incluindo a alteração da designação da Associação.

DOWNLOAD DOS ESTATUTOS

Parcerias

Porque trabalhar em rede significa, entre outras coisas, potenciar as parcerias existentes, a Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis consolida-se no alargado leque de parceiros locais e (...)
VER MAIS
Alguns membros RPCS


VER MAIS



"UMA CIDADE SAUDÁVEL É AQUELA QUE ESTÁ CONTINUAMENTE A CRIAR E A DESENVOLVER OS SEUS AMBIENTES FÍSICO E SOCIAL, E A EXPANDIR OS RECURSOS COMUNITÁRIOS QUE PERMITEM ÀS PESSOAS APOIAREM-SE MUTUAMENTE NAS VÁRIAS DIMENSÕES DA SUA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DO SEU POTENCIAL MÁXIMO."


GOLDSTEIN E KICKBUSCH (1996)

ÚLTIMOS PROJETOS

Oeiras
Programa Hortas Urbanas do Município de Oeiras

O QUE É?

O programa de hortas urbanas de Oeiras tem como principais objetivos incentivar o uso de práticas agrícolas tradicionais e o modo de produção biológico como atividade de lazer;sensibilizar a população para o respeito e defesa do ambiente; potenciar a biodiversidade e a estrutura ecológica do concelho. O programa tem duas componentes: hortas urbanas e hortas nas escolas.

 

O QUE FAZ?

A atividade agrícola de subsistência, materializada sob a forma de hortas, é uma atividade que permite uma melhoria da qualidade ambiental. O Programa potencia o uso de práticas agrícolas tradicionais e o modo de produção biológico/tradicional como forma de promover o desenvolvimento sustentável, no sentido de orientar e harmonizar as alterações resultantes dos processos sociais, económicos e ambientais e promover a produção de espécies vegetais/hortícolas mais saudáveis.

 

Este programa contempla ainda uma componente educativa, apresentando em espaço próprio ações de formação sobre técnicas de agricultura biológica/tradicional, de
manutenção de espaço público, de trabalho comunitário, de compostagem e de promoção ambiental. Com esta iniciativa, pretende-se, igualmente, estimular práticas de cultivo que aproximem o cidadão da natureza e no respeito pelos equilíbrios ambientais.

 

A QUEM SE DESTINA?

As hortas urbanas são dirigidas a munícipes que não têm espaço de cultivo e que tenham interesse em cultivar. As hortas nas escolas são dirigidas à comunidade escolar, sendo que o Município disponibiliza às escolas que dispõem de espaço de horta e que o utilizam regulamente apoio técnico para a realização dos trabalhos de horticultura, visitas de estudo à Horta da Quinta Real de Caxias e ainda ações de formação para professores (participação limitada).

 

Os interessados podem candidatar-se a talhões em hortas comunitárias implementadas em terrenos municipais. Estes terrenos estão, por regra, inseridos em espaços verdes e de lazer e estão equipados com abrigos de ferramentas, compostores e pontos de água. Para efeitos de participação é efetuado um processo de candidatura, onde os participantes são selecionados em função da proximidade da sua residência à horta e pela ordem de inscrição. Para oficializar esta cedência, é firmado com cada horticultor um acordo de utilização.

 

Todos os horticultores recebem formação prática e teórica sobre agricultura biológica e sobre o regulamento de utilização dos espaços, pretendendo-se o cumprimento das técnicas de agricultura sustentável.

 

QUAIS AS PARCERIAS?

Câmara Municipal de Oeiras, Estabelecimentos escolares, instituições/associações de caráter social, ambiental ou pedagógico.

 

QUE RESULTADOS FORAM ATINGIDOS?

Criado em 2012, atualmente, em 2019, existem no concelho cinco hortas onde são acompanhados cerca de 190 hortelões bem como realizadas formações aos candidatos para adquirirem competências na prática de agricultura biológica/tradicional e de cidadania nas hortas urbanas.

 

QUAIS OS CONTACTOS DE REFERÊNCIA?

Câmara Municipal de Oeiras
Divisão de Gestão Ambiental
T: 210 976 530
E: dga@cm-oeiras.pt

 

Figueira da Foz
Programa Municipal de Desporto para Todos

O que é?

A criação do Programa Municipal de Desporto para Todos (PMDT) tem como principal objetivo o aumento do número de munícipes com prática regular de atividade física orientada. Pretende-se uma Cidade com uma população mais ativa, com estilos de vida saudáveis e melhor qualidade de vida.

 

O que faz?

Com o desenvolvimento do PMDT, a Autarquia pretende uma Cidade com uma população mais ativa, com estilos de vida saudáveis e melhor qualidade de vida.


Este Programa permite o acesso à prática desportiva informal, desprovida de caráter competitivo, aproximando a Autarquia ao movimento desportivo concelhio, promovendo a sua visibilidade e contribuindo para a angariação de novos públicos.


A sua implementação enquadra-se no Plano Nacional de Desporto para Todos do IPDJ, uma medida de âmbito estrutural que visa apoiar programas desportivos que promovam a generalização da prática desportiva, de âmbito informal, recreativa ou competitiva (não federada), entendida como uma atividade determinante na formação e desenvolvimento integral dos cidadãos.


As atividades disponíveis centram-se, fundamentalmente, nas modalidades de ginásio, como zumba, bodycombat, spinning, fit local, poud, kick boxing e jiu-jitsu no entanto, também são disponibilizadas aulas de yoga, pilates, orientação, equitação, capoeira, bodyboard, surf e padel.

 

A quem se destina?

O PMDT dirige-se a todos os munícipes interessados em aumentar o seu bem-estar e qualidade de vida, através da prática regular de exercício físico orientado por técnicos habilitados.

 

Que resultados foram atingidos?

O Programa arrancou a 12 de maio de 2019 como ano piloto (ainda não há resultados para apresentar).

 

Quais as parcerias?

O Programa Municipal assenta a sua base de funcionamento no estabelecimento de parcerias com entidades públicas e privadas, que têm como objeto a promoção do exercício físico, designadamente Clubes/Associações do Concelho com candidatura ao Regulamento Municipal de Apoios ao Desporto, Ginásios, Academias e todas as entidades que possuem ao seu serviço técnicos certificados pelo IPDJ, IP.

 

Quais os contactos de referência?

Câmara Municipal da Figueira da Foz
Subunidade de Juventude e Desporto
Paço de Tavarede
Largo do Paço, nº 2
3080-612 Figueira da Foz
T: 233 401 864
E: sonia.pinto@cm-figfoz.pt

 

VER MAIS
57
MUNICÍPIOS
SAUDÁVEIS
.
Alfândega da Fé
.
Almada
.
Almodôvar
.
Alvito
.
Amadora
.
Amares
.
Avis
.
Azambuja
.
Barrancos
.
Barreiro
.
Beja
.
Braga
.
Bragança
.
Castro Marim
.
Coimbra
.
Cuba
.
Figueira da Foz
.
Golegã
.
Gondomar
.
Guarda
.
Lagoa (Açores)
.
Lagoa (Algarve)
.
Lisboa
.
Loulé
.
Loures
.
Lourinhã
.
Lousã
.
Maia
.
Matosinhos
.
Miranda do Corvo
.
Monchique
.
Monção
.
Montijo
.
Odemira
.
Odivelas
.
Oeiras
.
Palmela
.
Ponta Delgada
.
Portimão
.
Porto
.
Porto Santo
.
Póvoa de Lanhoso
.
Ribeira Grande
.
Santo Tirso
.
Seixal
.
Serpa
.
Sesimbra
.
Setúbal
.
Soure
.
Tábua
.
Torres Vedras
.
Valongo
.
Viana do Alentejo
.
Viana do Castelo
.
Vidigueira
.
Vila Franca de Xira
.
Vila Real
 Um município saudável é 
 inclusivo, sensível e para 
 todos os cidadãos 
A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis é uma associação que tem como missão apoiar a divulgação, implementação e desenvolvimento do projeto Cidades Saudáveis nos municípios que pretendam assumir a promoção da saúde como uma prioridade da agenda dos decisores políticos.

Iniciativas

A Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis promove anualmente um conjunto de iniciativas que dão a conhecer o trabalho que desenvolve, ao mesmo tempo que estreita a cooperação entre os municípios associados e parceiros, promovendo a troca de experiências e de boas práticas em matéria de promoção da saúde.



INICIATIVAS DOCUMENTOS DATA
VII Fórum da Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis Cartaz/Programa
Relatório VII Fórum
Anexo 1 - Sessão de Abertura - Discurso Presidente C.A.
Anexo 2 - Sessão de Abertura - Discurso Presidente Lagoa
Anexo 3 - Sessão Plenária - Rosa Reis Marques
Anexo 4 - Sessão Plenária - Mirieme Ferreira
Anexo 5 - Declaração de Lagoa
Anexo 6 - Mesa Redonda - Margarida Pais
2018
VI Fórum Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis Cartaz
Declaração de Setúbal – Compromisso para 10 Metas e Desafios na Promoção da Saúde
Programa
VI Fórum - Principais conclusões
2016
V Fórum - As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Programa
Relatório
Anexo 1
Anexo 2
Anexo 3
Anexo 6
2014
IV Fórum - Desenvolvimento Local e Cidades Saudáveis IV Fórum - Programa
Foto 1
Foto 2
Foto 3
2012
III Fórum – Saúde em Todas as Políticas Locais I Sessão Plenária: Comunicação de Dr. Agis Tsouros, diretor do Projeto Cidades Saudáveis do Gabinete Regional para a Europa
Resumos das comunicações da I Sessão Plenária e Workshops
2010
Fórum de partilha de Experiências Cidades Saudáveis Apresentação: Movimento Europeu de Cidades Saudáveis
Apresentação: Experiência do Município de Montijo
Apresentação: Experiência do Município de Torres Vedras
Apresentação: Experiência do Município do Seixal
Apresentação: Experiência do Município de Viana do Castelo
2009
Prémio Jornalístico Regulamento 4º Prémio Jornalístico "Ambiente e Saúde"
2008
II Fórum – Pela Saúde, 10 Anos em Rede 2007
Prémio de Reconhecimento Científico Regulamento
2005
I Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Folheto Frente
Programa
Folheto Verso
2004